Tumblr feito como trabalho de CFB. É dedicado a todos que gostam de ciência. Criadores: Sobrosa (10704), Pablo (10736), Chuang (10720) e Abreu (10718). Este tumblr explica, basicamente, a formação do Universo, do Sistema Solar, da Terra e como surgiu a vida em nosso planeta. A partir daí, o assunto baseia-se praticamente na explicação detalhada dos seres vivos (tipos, reinos, filos, características, reprodução, entre outros) e também nos vírus, tendo um link apenas para a expliçação dos mesmos. O tumblr também apresenta o espaço de cada um dos integrantes (Sobrosa, Chuang, Abreu e Pablo). O aluno Pablo mostra curiosidades e comentários. O aluno Abreu mostra fotos e comentários. O aluno Chuang mostra vídeos e comentários. E o aluno Sobrosa mostra perguntas e respostas. O tumblr ainda conta com um site de esquemas, deixando mais fácil a compreensão de posts não entendidos.
Obs.:O "Home" do site não está organizado. Por favor acompanhe pelos links ao lado.
Pergunte
Do Começo ao Infinito - ∞


Vídeo postado em 28/08/2012 às 10:29pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  chuang #


Vídeo postado em 28/08/2012 às 10:12pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  chuang #

Animalia - Filo Platyhelminths (part 3/3) - Schistosome

 

The schistosome (Schistosoma mansoni) belongs to a group of flatworms called trematodes. This worm is very dangerous because it produces in people a serious disease called schistosomiasis.

The schistosome has separate sexes; female measures about 1.5 cm in length and male, about 1 cm. The schistosome male has a channel where the female takes shelter in the breeding season.

The schistosome lives usually in the veins that connect the intestine to the liver of people. The presence of these worms and eggs in a large quantity may cause a disruption of these veins. Furthermore, there is an increase in the volume of the abdomen due to disproportionate growth of the liver and spleen. So, schistosomiasis is also known as belly-d \ water. Among other symptoms, and increasing the volume of the abdomen, abdominal pain may occur, cramps, nausea, inflammation of the liver and weakening of the body.

Initially the schistosome lays its eggs in the veins of the intestine of the host. These eggs pass through the walls of the veins and intestines and is eliminated in the stool. The eggs falling into the water turn into larvae, the miracidia. These enter the body of a snail genus Biomphalaria and there turn into larvae with tail, called cercariae. Once formed, the cercariae leaves the snail and pass back into the water. The cercariae then can penetrate human skin, reaching the bloodstream and ultimately the veins that connect the intestine to the liver, where they develop and grow into adult worms, closing the cycle.

To combat the schistosome, the following steps are necessary:

• Require that government officials performing basic sanitation;

• Never enter the water where there are hosts of schistosome snails (ponds, lakes, wetlands, etc.);

• Build trenches where there is no sewage;

• Combat the snail host. Thus prevents the formation of cercariae, interrupting the life cycle of the schistosome. 

 

Texto postado em 28/08/2012 às 6:27pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  metazoa #

Nematóides - Diferenciação entre Macho e Fêmea

O macho tem a ponta enrolada, enquanto a fêmea tem a ponta reta.

Texto postado em 25/08/2012 às 11:43pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  pablo #

Filo Chordata (cordados) - Resumo sem divisões

                       Características e Classificação dos Cordados

Todo cordado apresenta, pelo menos em alguma fase de sua existência:

  • notocorda, situada ao longo do eixo mediano dorsal do animal;
  • um tubo nervoso localizado dorsalmente, acima da notocorda;
  • fendas situadas bilateralmente na faringe;
  • cauda pós-anal, primariamente importante para a propulsão no meio aquático. Dela, apenas um vestígio - o cóccix, formado de um conjunto de vértebras pequenas no fim da coluna vertebral - restou nos seres humanos.

Nos grupos de invertebrados, as características morfológicas sempre foram definidas a partir do estudo de animais adultos. Nos cordados, no entanto, a caracterização do grupo deve ser procurada na fase embrionária. É nessa fase que todo o cordado apresenta as quatro características típicas do grupo: notocorda, tubo nervoso dorsal, fendas na faringe e cauda pós-anal.

Na fase adulta dos vertebrados mais complexos, essas estruturas ou desaparecem, como é o caso da notocorda e das fendas na faringe, ou sofrem consideráveis modificação, como é o caso do tubo nervoso, que passa por uma grande expansão, levando à diferenciação do encéfalo e da medula espinhal.

Uma classificação satisfatória dos cordados consiste em agrupá-los em três subfilos: Urochordata, Cephalochordata e Vertebrata (ou Craniata). Os urocordados e os cefalocordados também são conhecidos como protocordados. Os protocordados não possuem crânio, nem cartilagem, tampouco ossos.

Lampreia

Entre os vertebrados, os mais primitivos são os que possuem boca circular, não-dotada de mandíbulas. Estes compõem os grupos dos vertebrados amandibulados ou ágnatos (do grego, a = ausência de + gnathos = maxila).

Por possuírem boca circular, também são conhecidos por ciclostomados (do grego, kúklos = circulo + stoma = boca). Os exemplares mais conhecidos atualmente são as lampreias.

Nos vertebrados mais complexos, a boca possui mandíbulas. São os gnatostomados, que incluem dois grupos: o dos peixes - que, por sua vez, contém a classe dos peixes cartilaginosos e dos peixes ósseos - e o dos tetrápodos (do grego, tetra =quatro + podos = pés), assim chamados por possuírem apêndices locomotores pares (inclui os anfibios, répteis, aves e mamíferos).

Subfilo Urochordata

Também conhecidos como tunicados, nome que se deve ao envoltório do corpo, uma túnica espessa, de cuja composição química participa a tunicina, uma substância semelhante à celulose.

Os representantes mais conhecidos desse grupo são as ascídias, cordados marinhos que podem viver isolados ou formando colônias. Uma das formas isoladas muito encontrada nas praias brasileiras lembra, no adulto, um pedaço de piche de aproximadamente 8 cm de altura, preso por uma de suas extremidades ao substrato (rochas, cascos de navios etc.)

 

Observe na figura acima as duas aberturas. O maior é o sifão inalante, permite o ingresso de água trazendo oxigênio e partículas alimentares que ficam retidas na faringe perfurada por fendas. Por batimento ciliar, o alimento é levado da faringe ao estômago. A água que entra no animal, sai pelo segundo sifão, o sifão exalante, levando os produtos de excreção. São, portanto, animais filtradores.

As ascídias são hermafroditas. A fecundação é externa. Os gametas são levados pela água através do sifão exalante. Os ovos fertilizados geram larvas, de pequeno tamanho. A larva, mostrada acima, parece muito com a larva de sapo (girino) o que sugere forte parentesco com os vertebrados.

A larva das ascídias é livre natante. Os adultos são fixos. Na larva dos tunicados, a notocorda restringe-se à cauda.

Subfilo Cephalochordata

Os cefalocordados estão representados por animais conhecidos por anfioxos, que compreendem cerca de trinta espécies, todas vivendo em ambiente marinho. A palavra anfioxo deriva do fato de esses animais terem o corpo afilado em duas pontas (anfi = dois).

Os anfioxos são animais pequenos chegando a medir até 8 centímetros de comprimento. Têm o corpo semelhante a de um peixe e vivem semi-enterrados na areias, em locais de águas calmas e limpas, mantendo somente a parte anterior do corpo para fora do substrato.

 

Embora passem a maior parte do tempo enterrados, eles podem nadar ativamente na água por curtos períodos de tempo. A natação do anfioxo é semelhante a verificada nos peixes: resulta da contração dos miótomos, blocos musculares arranjados serialmente ao longo do corpo. A contração alternada desses músculos de um lado e de outro do corpo promove um movimento lateral, que propulsiona o animal para frente.

Esses animais possuem nadadeiras, mas, distintamente das verificadas nos peixes, são formadas apenas por dobras da pele, sem elementos esqueléticos de sustentação em seu interior; elas possuem apenas reforço de tecido conjuntivo.

Assim como os urocordados, as fendas branquiais dos cefalocordados são bem desenvolvidas, indicando o hábito filtrador desses animais. Em ambos os casos, essas fendas não se abrem diretamente para fora do corpo, mas em uma cavidade chamada de átrio.

Nos cefalocordados os cílios das fendas branquiais ou faringeanas promovem a entrada de água e a saída por um poro especial denominado atrióporo. Eles obtêm o oxigênio e alimento de que necessitam através dessa circulação de água.

As partículas alimentares filtradas são conduzidas ao endóstilo e deste para outras partes do tubo digestivo. Os restos não aproveitáveis são eliminados através do ânus. Nesses animais o ânus abre-se diretamente para fora do corpo e não no interior da cavidade atrial, como nos urocordados. No átrio dos cefalocordados abrem-se as gônadas.

O sistema circulatório é formado apenas por vasos, alguns contráteis, responsáveis pela propulsão do sangue. Não possuem coração.

Os anfioxos são animais de sexos separados, com fecundação externa. Eles passam por um estágio larval plantônico, após o qual se assentam no substrato e sofrem metamorfose, dando origem ao adulto.

O sistema nervoso dos cefalocordados, é bastante simplificado, sendo formado por um cordão nervoso dorsal, que apresenta uma dilatação na região anterior denominada vesícula cerebral.

Subfilo Vertebrata ou Craniata

Os cordados vertebrados apresentam uma série de avanços com relação aos protocordados: massa encefálica protegida por uma caixa craniana e uma coluna segmentada em vértebras. O subfilo Vertebrata possui aproximadamente 40.000 espécies vivas e é o maior subfilo dos Chordata.

A abordagem que faremos será preferencialmente relacionada às adaptações que neles existem e que favorecem a sua sobrevivência nos diversos meios em que são encontrados.

Ágnatos ou Ciclostomados: “Peixes” Primitivos e sem Mandíbulas

Estes animais não apresentam mandíbula e têm uma boca circular provida de ventosa com dentes córneos, com os quais perfuram a pele dos peixes de que se alimentam. O corpo destes peixes é longo e cilíndrico, com a parte caudal achatada lateralmente, e revestido por pele fina sem escamas.

 

Lampreia e seus dentes córneos

A pele é rica em glândulas produtoras de muco, especialmente nas mixinas, que o produzem em grande quantidade para se defenderem de predadores. O esqueleto é cartilagíneo, tal como os raios que sustentam as barbatanas dorsal e caudal em forma de remo. Não possuem barbatanas pares.

 Nas lampreias a  notocorda persiste no adulto, envolvida por arcos neurais imperfeitos, sendo o eixo de sustentação do corpo.

Mixina ou peixe-bruxa

Nas mixinas este eixo cartilaginoso é ainda mais incompleto (não mais que um cordão formado por nódulos cartilaginosos), o que lhes permite enrolar o corpo num nó, tanto para se libertarem de predadores, como para se alimentarem.

Quando se alimentam, as mixinas formam um nó junto á cauda e deslocam-no até á cabeça, forçando a boca a arrancar um pedaço de carne da presa.       

A respiração é feita por brânquias, geralmente 6 a 16 pares, em sacos branquiais laterais que abrem directamente para o exterior em fendas branqueais, localizadas perto da cabeça. A temperatura do corpo é variável – ectotérmicos.

O sistema digestivo não apresenta estômago.  A boca é fechada ou aberta pelo movimento para trás e para a frente da língua, a qual também apresenta os pequenos dentes córneos da ventosa, sendo usada para ferir a presa, principalmente nos indivíduos parasitas.

O sistema nervoso apresenta um encéfalo diferenciado, mas os órgãos dos sentidos variam com o tipo de animal. As lampreias têm boa visão mas as mixinas são cegas, embora ambas as ordens apresentem um olfato e paladar apurados.A excreção é feita por rins mesonéfricos.                  

Quase todos os agnátos passam a sua vida adulta no mar, migrando para se reproduzir, seja apenas para águas mais frias ou mesmo para água doce. Nas lampreias os sexos são separados e a fecundação é externa. Os casais escavam pequenas covas rasas, onde colocam os ovos fecundados e de seguida morrem. As larvas – amocetes -, são muito diferentes da forma adulta (parecem anfioxos), são cegas e permanecem algum tempo nos rios (3 a 7 anos), enterradas em zonas arenosas e calmas onde filtram o seu alimento pois não apresentam dentes. Sofrem depois uma rápida metamorfose e, se trata de espécies marinhas, migram para o oceano.  No caso das mixinas, estas são hermafroditas e os ovos têm desenvolvimento direto, saindo os jovens dos ovos como miniaturas dos adultos. A sua reprodução decorre sempre em água doce, onde os adultos também viverão.

Condrictes: Os Peixes Cartilaginosos

Os tubarões, raias e quimeras (peixes de águas profundas, também chamados de peixes-rato) desta classe (do grego chondros = cartilagem + ichthys = peixe) são os vertebrados vivos mais primitivos com vértebras completas e separadas, mandíbulas móveis e barbatanas pares.

Quimera

 

Este grupo é antigo e representado por numerosos restos fósseis. Pertencem-lhe alguns dos maiores e mais eficientes predadores marinhos. Todos possuem um esqueleto cartilagíneo, dentes especializados que se renovam ao longo da vida e uma pele densamente coberta por escamas em forma de dente.

Praticamente todos são marinhos, embora existam espécies de tubarões e raias que penetram regularmente em estuários e rios, e, em regiões tropicais, espécies de água doce.

Todos os peixes cartilaginosos são predadores, embora os filtradores também ingerem fitoplâncton. Neste caso existem projeções rígidas dos arcos branquiais, que funcionam como filtros. Grande parte da sua dieta é composta por presas vivas, embora consumam igualmente cadáveres, quando disponíveis.

Tubarão filtrador

A maioria dos tubarões não apresenta mais de 2,5 m de comprimento mas alguns atingem 12 m e o tubarão-baleia 18 m, sendo estes os maiores vertebrados vivos, com exceção das baleias.

As raias são igualmente pequenas, com cerca de 60-90 cm de comprimento, mas a raia-jamanta atinge 5 m de comprimento e 6 m de envergadura.

Arraia 

Caracteristicas

Os tubarões, com o seu corpo fusiforme e aerodinâmico, têm grande interesse biológico, pois apresentam características anatômicas básicas presentes em embriões de vertebrados superiores.

Esqueleto cartilagínoso

Sem ossos verdadeiros mas compostos por cartilagem resistente e flexível, mais ou menos reforçados por depósitos calcários, o esqueleto é composto por um crânio ligado a uma coluna vertebral e cinturas peitoral e pélvica. A mandíbula (não fundida ao crânio) e a maxila estão presentes. A notocorda é persistente nos espaços intervertebrais. Algumas espécies possuem coluna vertebral rija, em tudo semelhante à dos peixes ósseos. Este tipo de esqueleto apenas suporta animais com mais de 10 metros de comprimento em meio aquático, cuja densidade é superior à do ar.

 

Escamas placóides

A pele é rija e está coberta com escamas semelhantes a dentes (são compostas por uma placa de dentina na derme, revestida por esmalte) com um espinho orientado para trás, bem como numerosas glândulas mucosas. Este revestimento confere à pele uma textura de lixa, o que torna o animal mais hidrodinâmico. Algumas espécies de raias apresentam escamas grandes e espinhosas, enquanto outras não apresentam escamas de todo.

Sistema nervoso

Encéfalo distinto e órgãos sensoriais muito desenvolvidos, que lhes permitem localizar presas mesmo quando muito distantes ou enterradas no lodo do fundo. Estes órgãos incluem:

Narinas: localizadas ventralmente na extremidade arredondada da cabeça, capazes de detectar moléculas dissolvidas na água em concentrações mínimas;

Ouvidos: com três canais semicirculares dispostos perpendicularmente uns aos outros (funcionando como um órgão de equilíbrio, portanto, tal como em todos os vertebrados superiores);

Olhos: laterais e sem pálpebras, cuja retina geralmente apenas contém bastonetes (fornecendo uma visão a preto-e-branco mas bem adaptada á baixa luminosidade);

Linha lateral: um fino sulco ao longo dos flancos contendo muitas pequenas aberturas, contém células nervosas sensíveis á pressão (algo como um sentido do tacto á distância);

Ampolas de Lorenzini: localizadas na zona ventral da cabeça, são outros canais sensitivos ligados a pequenas ampolas que contém eletrorreceptores capazes de detectar as correntes elétricas dos músculos de outros organismos;

Sistema digestivo

A boca é ventral com fileiras de dentes revestidos de esmalte (desenvolvidos de escamas placóides). Os dentes estão implantados na carne e não na mandíbula, sendo substituídos continuamente a partir da parte traseira da boca, à medida que são perdidos.

 

A forma dos dentes revela os hábitos alimentares dos animais, dentes pontiagudos e serrilhados nos tubarões, que os usam para agarrar e cortar, e pequenos e em forma de ladrilho nas raias, que os usam para partir as carapaças e conchas dos moluscos e crustáceos de que se alimentam no fundo.

O intestino apresenta válvula em espiral (para aumentar a área de absorção) e fígado, grande e muito rico em óleo o que confere grande flutuabilidade, chegando por vezes a compor 20% do peso do corpo. No entanto, em algumas espécies tal não é suficiente, pois se pararem de nadar afundam-se. O ânus abre para a cloaca.

Sistema circulatório

Coração com 2 câmaras (aurícula e ventrículo) por onde circula apenas sangue venoso.

Sistema respiratório

As brânquias estão presas à parede de 5 a 7 pares de sacos branquiais, cada um com uma abertura individual em forma de fenda, abrindo á frente da barbatana peitoral nos tubarões ou na superfície ventral das raias. Nas quimeras apenas existe uma fenda branquial.

As narinas não comunicam com a cavidade bucal mas com a faringe.

Os sacos branquiais podem contrair-se para expelir a água ou, como acontece na maioria dos tubarões, o animal usa uma espécie de respiração a jacto, nadando ativamente com a boca e as fendas brânquiais abertas, mantendo um fluxo constante de água. Por esse motivo, é frequente os tubarões afogarem-se quando presos em redes de pesca perdidas.

Geralmente existe um par de espiráculos atrás dos olhos, em ligação á faringe, que, nas espécies bentônicas, permitem a entrada de água sem detritos para as brânquias. Não existe bexiga natatória;

Sistema excretor

Rins mesonéfricos

Reprodução

Clásperes

Os tubarões e raias têm os sexos separados, gônadas tipicamente pares, em que os ductos abrem na cloaca e a fecundação é interna. Os clásperes, barbatanas ventrais modificadas, são introduzidos na cloaca da fêmea e o esperma escorre pelo canal formado pelas duas estruturas unidas.

Podendo ser ovíparos (ovos são libertados envoltos em cápsulas semi-rigídas), vivíparos (jovens desenvolvem-se dentro de uma estrutura semelhante a uma placenta, o que lhes permite ser alimentados diretamente pelo corpo da mãe) ou ovovivíparos (retêm os ovos no interior da fêmea, nascendo filhotes completamente formados, cauda primeiro), produzem ovos são muito ricos em vitelo mas sem anexos embrionários.

O desenvolvimento é direto, não existindo nunca estados larvares. Os filhotes nascem com os dentes funcionais e são capazes de caçar de imediato, embora, devido ao seu tamanho, sejam eles próprios potenciais presas.

O saco de ovos de um tubarão esqualídeo,popularmente conhecido como “Bolsa de Sereia”      

Os tubarões são perseguidos, por pura ignorância ou para a obtenção das suas barbatanas (para sopa e utilização em poções “afrodisíacas” asiáticas) ou mortos por acidente em redes de arrasto. Atualmente, grande número de espécies corre sério perigo de extinção.

Com o aumento da população humana e a redução dos cardumes de peixes ósseos, os peixes cartilagíneos têm sido pescados em grande número. Todos os anos se matam cerca de 100 milhões de tubarões e afins, dos quais cerca de 6 milhões são tubarões azuis, mortos apenas pelas suas barbatanas.

Sendo estes animais fundamentais ao correto “funcionamento” do ecossistema marinho, esta matança deve, em curo prazo, provocar desequilíbrios muito graves.

Osteictes: Os Peixes Ósseos

Os peixes ósseos são o grupo mais vasto (correspondem a 9 em cada 10 espécies) e diverso de peixes atuais. Estes animais habitam todos os tipos de água, doce, salobra, salgada, quente ou fria (embora a maioria seja limitada a temperaturas entre 9 e 11ºC). Esta é a classe mais recente do ponto de vista filogenético, bem como a considerada mais evoluída. A taxonomia dentro desta classe tem sido frequentemente alterada, devido à descoberta de novas espécies, bem como de novas relações entre as já conhecidas.

 

Tipicamente os peixes ósseos não são maiores que 1 m de comprimento mas existem formas reduzidas (certos gobies têm apenas 10 mm de comprimento) e gigantescas (espadarte com 3,70 m, o esturjão com 3,80 m e 590 Kg de peso ou o peixe-lua com 900 Kg de peso).  

Adaptaram-se a viver em condições por vezes difíceis, como lagos a grande altitude, zonas polares, fontes hidrotermais, charcos com elevada salinidade ou pobres em oxigênio, etc.

Muitos peixes realizam migrações periódicas, seja de local para local, seja de águas profundas para a superfície, tanto para desovar como para se alimentar.

As suas características principais incluem um corpo, mais alto que largo e de silhueta oval, o que facilita a deslocação através da água. 

A cabeça estende-se da ponta do focinho á abertura do opérculo, o tronco daí ao ânus, para trás do qual se tem a cauda. O corpo apresenta uma forte musculatura segmentar – miomeros -, separados por delicados septos conjuntivos.

O esqueleto é formado por ossos verdadeiros, embora algumas espécies possam apresentar ossos cartilagíneos (esturjão, por exemplo), com numerosas vértebras distintas, embora seja frequente a persistência de notocorda nos espaços intervertebrais. 

O esqueleto apresenta 3 partes principais: coluna vertebral, crânio e raios das barbatanas. Da coluna vertebral partem as costelas e a cintura peitoral (não existe cintura pélvica, ligando-se essas barbatanas por meio de tendões, sem ligação á coluna vertebral). Numerosos outros pequenos ossos sustentam os raios das barbatanas. 

O crânio é articulado com as maxilas e mandíbulas, ambas bem desenvolvidas, e suporta os arcos branquiais. A articulação do crânio com a coluna vertebral é tão forte que os peixes não podem virar a cabeça. A cauda é geralmente homocerca.

A pele cobre todo o corpo e contém inúmeras glândulas mucosas, cuja secreção facilita o deslizar através da água e protege contra infecções, e está coberta de no tronco e cauda. As escamas podem ser de várias formas, mas são sempre de origem dérmica. Algumas espécies não apresentem escamas ou estas podem estar revestidas de esmalte. 

As escamas são finas, arredondadas e implantadas em fileiras longitudinais e diagonais, imbricadas como as telhas de um telhado. As extremidades livres das escamas estão cobertas por uma fina camada de pele que protege de parasitas e doenças. Em algumas espécies, esta camada de pele ajuda a manter a humidade quando o animal está emerso. 

Cada escama está fixa numa bolsa dérmica e cresce durante a vida do animal, o que geralmente origina anéis de crescimento (maiores no verão e muito pequenos no inverno). Estes anéis são mais notórios em peixes de regiões temperadas. Devido ao padrão de distribuição, forma, estrutura e número das escamas ser quase constante em cada espécie, esta é uma importante característica sistemática desta classe.

As barbatanas são sustentadas por raios ósseos ou por vezes cartilagíneos. As barbatanas impares incluem duas dorsais e uma anal, bem como barbatana caudal simétrica. A forma da barbatana caudal condiciona a forma de deslocação do animal: barbatanas arredondadas aumentam a capacidade de manobra mas geralmente a velocidade é baixa, enquanto barbatanas bifurcadas ou em forma de foice permitem grandes velocidades. A barbatana dorsal tem suporte esquelético e varia grandemente de forma, de acordo com os hábitos do animal. As barbatanas pares são as peitorais, logo atrás do opérculo, e as pélvicas. Cada barbatana tem o seu próprio conjunto de músculos, o que permite um movimento independente, aumentando a capacidade de manobra. 

Ao contrário dos peixes cartilagíneos, e devido à presença de bexiga natatória, os peixes ósseos não necessitam das barbatanas para se manterem a flutuar, usando-as apenas para manobrar na água.

Sistema nervoso

Inclui um encéfalo distinto e órgãos dos sentidos desenvolvidos, nomeadamente:

  • Olhos - grandes, laterais e sem pálpebras, provavelmente apenas capazes de focar com precisão objetos próximos, mas que percebem facilmente movimentos distantes, incluindo acima da superfície da água. A retina contém cones e bastonetes, o que permite visão a cores na maioria dos casos;

  • Ouvidos - com três canais semicirculares dispostos perpendicularmente uns aos outros (funcionando como um órgão de equilíbrio, portanto, tal como em todos os vertebrados superiores), permitem uma audição apurada, até porque o som se propaga bastante bem dentro de água. Muitos peixes comunicam entre si produzindo sons, seja esfregando partes do corpo entre si, seja com a bexiga natatória;

  • Narinas – localizadas na parte dorsal do focinho, comunicam com uma cavidade coberta de células sensíveis a moléculas dissolvidas na água;

  • Linha lateral – localizada longitudinalmente ao longo do flanco do animal, é composta por uma fileira de pequenos poros, em comunicação com um canal abaixo das escamas, onde se encontram mecanorreceptores. A eficácia deste sistema para detectar movimentos e vibrações por ele causadas na água permite a formação de cardumes, fundamental como estratégia de defesa destes animais.

Sistema digestivo

Tem a boca grande em posição terminal, rodeada de maxilas e mandíbulas distintas, onde estão implantados dentes cônicos e finos. Existem outros dentes, localizados nos primeiros arcos branquiais, úteis para prender e triturar o alimento. Na boca existe ainda uma pequena língua, ligada ao chão da cavidade e que ajuda nos movimentos respiratórios.

Sistema circulatório

Tem um coração com duas cavidades (aurícula e ventrículo) por onde circula apenas sangue venoso. O sangue é pálido e escasso, quando comparado com um vertebrado terrestre.

Sistema respiratório

Apresenta tipicamente brânquias em forma de pente, sustentadas por arcos branquiais ósseos ou cartilagíneos e localizadas no interior de uma câmara comum de cada lado da faringe. Essa câmara está coberta por um opérculo, fino e de margens livres abaixo e atrás. Os arcos branquiais apresentam expansões que protegem os filamentos brânquiais de partículas duras e evitam a passagem de alimento pelas fendas branquiais.Nas branquias existe um mecanismo de contracorrente entre a água e o sangue que as irriga, aumentando a eficiência das trocas gasosas. 

Geralmente existe bexiga natatória, um grande saco de paredes finas e irrigadas derivado da zona anterior do intestino, que ocupa a zona dorsal da cavidade do corpo. Esta cavidade está preenchida com gases (O2, N2, CO2), atuando como um órgão hidrostático, ajustando o peso do corpo do peixe consoante a profundidade. O ajuste faz-se por secreção ou absorção dos gases para o sangue. 

A capacidade da bexiga natatória é superior nos peixes de água doce pois esta é menos densa que a salgada, não podendo sustentar o peixe com a mesma facilidade. A bexiga natatória pode ajudar na respiração (peixes pulmonados) ou como caixa de ressonância de órgãos dos sentidos ou produção de sons.

Sistema excretor

É formado por rins mesonéfricos.

Sistema reprodutor

Os sexos são separados, apresentando cada indivíduo gônadas geralmente pares. A grande maioria é ovípara com fecundação externa, embora existam espécies com fecundação interna e hermafroditas. 

Algumas espécies passam por mudanças de sexo, com machos que passam a fêmeas aumentando de tamanho e as fêmeas que se tornam dominantes nos cardumes, ao passarem a machos.  Os ovos são pequenos e sem anexos embrionários mas com quantidade de vitelo muito variável. As espécies de mar alto produzem enormes quantidades de ovos, pois a maioria não sobrevive, que passam a fazer parte do plâncton, enquanto espécies costeiras os colocam entre detritos e folhas ou no fundo. Algumas espécies cuidam dos ovos e/ou dos juvenis, guardando os ninhos e mantendo-os oxigenados com jorros de água. Outros incubam os ovos na boca ou permitem que os jovens lá se recolham quando ameaçados.

Várias espécies migram grandes distâncias (tanto de água salgada para doce, como algumas espécies de salmões, ou o inverso, como as enguias) para desovar.

Os peixes ósseos são os únicos que formam cardumes, por vezes com dezenas de milhar de indivíduos. Nos cardumes os peixes deslocam-se sincronizadamente, como se fossem um só. Cada peixe segue paralelamente ao seu vizinho, a uma distância de cerce de um comprimento do corpo e mantém a sua posição devido à ação da visão, audição e linha lateral.  A cor prateada da maioria dos peixes que fazem cardumes é fundamental pois ajuda a detectar os movimentos uns dos outros (uma pequena mudança de direção produz uma grande diferença a nível da luz refletida).

Num cardume os peixes estão mais seguros pois há mais sentidos atentos a um potencial predador e torna-se mais difícil escolher a presa no meio de tantos corpos em movimento. A vida em grupo também ajuda a encontrar alimento e parceiros sexuais.

Anfíbios: O início da Conquista do Meio Terrestre

Os anfíbios não são encontrados no ambiente marinho, apenas na água doce e em ambiente terrestre. O nome do grupo, anfíbios (do grego, amphi - dos dois lados + bios = vida), foi dado em razão da maioria de seus representantes possuírem a fase larval aquática e de respiração branquial (lembre-se dos girinos) e uma fase adulta, de respiração pulmonar e cutânea, que habita o meio terrestre úmido. São heterotermos, como os peixes.

Perereca

Salamandra

Sapo

Cobra-cega ou Cecília

Trocas gasosas

Os anfíbios adultos precisam viver perto da umidade: sua pele é fina e pobremente queratinizada, muito sujeita à perda de água. Uma delgada epiderme, dotada de inúmeras glândulas mucosas, torna a pele úmida e lubrificada, constituindo-se de um importante órgão respiratório.

Nos sapos, os pulmões são extremamente simples, equivalem a dois “sacos” de pequeno volume e de pequena superfície de trocas gasosas. Essa característica é que aumenta a importância da pele como órgão respiratório.

A circulação

O coração apresenta três cavidades: dois átrios (um direito e um esquerdo) e um ventrículo. O sangue venoso, pobre em O2, vindo dos pulmões, penetra no átrio esquerdo. Os dois tipos de sangue passam para o único ventrículo onde se misturam, ainda que parcialmente. Do ventrículo, o sangue é bombeado para um tronco arterial (conjunto de vasos) que distribui sangue para a cabeça, tronco e pulmões.

A circulação é dupla e incompleta: dupla, porque o sangue passa duas vezes pelo coração a cada ciclo de circulação, incompleta, porque o ventrículo é único e nele o sangue arterial e venoso se misturam.

A reprodução

Nos sapos, rãs e pererecas, os sexos são separados. A fecundação é externa, em meio aquático. As fecundações vão ocorrendo, e cada ovo possui uma membrana transparente que contém, no seu interior, um embrião em desenvolvimento que consome, para a sua sobrevivência, alimento rico em reservas originadas do óvulo.

 

Após certo tempo de desenvolvimento, de cada ovo emerge uma larva sem patas, o girino, contendo cauda e brânquias. Após certo tempo de vida na água, inicia-se uma série de modificações no girino, que prenunciam a fase adulta. A metamorfose consiste na reabsorção da cauda e das brânquias e no desenvolvimento dos pulmões e das quatro patas.

 



A classe Reptilia (do latim reptum = rastejar) inclui os lagartos, cobras, tartarugas, jabutis, crocodilos, jacarés e a tartaruga. A ciência que estuda os répteis chama-se herpetologia.

Os répteis surgiram a partir de um grupo de anfíbios primitivos e foram os primeiros vertebrados que se adaptaram á vida terrestre sem depender de água para a reprodução e respiração. Como mudanças evolutivas podemos citar:

- Pele mais resistente à perda de água mais ainda existem regiões onde a pele é mais fina para que haja locomoção;
- Poucas glândulas epidérmicas, pois a epiderme é corneificada, sem função respiratória;
- Garras que ajudam na proteção e locomoção;
- Ovo com casca resistente à perda de água, com cavidade amniótica;
- A principal excreta nitrogenada é o ácido úrico para diminuir a perda de água para o ambiente.

Os répteis são mais evoluídos que os anfíbios, porém ainda são pecilotérmicos (a temperatura corporal depende da temperatura do ambiente). O esqueleto é completamente ossificado e o coração é completamente dividido em quatro câmaras (2 átrios e 2 ventrículos), as hemácias são nucleadas, respiração pulmonar, excreção por rins metanéfricos, ectotérmicos, dióicos com fecundação interna, ovos grande e com desenvolvimento direto.

Com a casca mais grossa, surge o anexo embrionário âmnio, que delimita a cavidade amniótica, cheia de líquidos, que protege o embrião contra o dessecamento.

Estrutura Corporal

O corpo dos répteis é formado por cabeça, pescoço, tronco e cauda. Possui quatro pernas curtas, com dedos terminando em garras córneas. A boca é grande e cheia de dentes. Olhos são grandes, ocupando a posição lateral, com pálpebras e uma membrana nictante. A pele é composta por escamas córneas.

Digestão

A boca abre-se largamente e os dentes são fortes, servindo para ataque, defesa e segurar a presa. Entre a cavidade bucal e a faringe há uma dobra transversal que isola a cavidade para não entrar água nos pulmões quando o animal abrir a boca dentro da água.

O alimento passa da boca para a faringe, seguindo para o esôfago, estômago, intestino delgado, cloaca e o que não foi aproveitado é eliminado para o ambiente através do ânus. A cloaca é a saída dos sistemas digestivo, excretor e reprodutor.

Circulação

A circulação é fechada, dupla e completa nos crocodilianos, sendo incompleta nos outros grupos.

Respiração

A respiração é pulmonar. O ar entra pelas narinas, passam pelo palato duro, coanas, glote, laringe (onde estão as cordas vocais), traquéia e brônquios. Os pulmões possuem dois septos internos.

Excreção

A excreção é feita por dois rins achatados e tubulares, localizados dorsalmente na parte posterior do corpo.

Reprodução

São animais dióicos, que fazem fecundação interna. Os ovos costumam ser grandes, possuem uma casca grossa para proteger contra dessecamento, o embrião tem desenvolvimento direto, sem metamorfose.

As tartarugas possuem uma concha oval, com placas corneificadas, que costumamos chamar de casco. A parte dorsal desta concha chama-se carapaça e a ventral chama-se plastrão. O corpo está encaixado nesta concha, soldado pelas vértebras torácicas e costelas. Os pés dos jabutis têm forma de toco, e das tartarugas marinhas tem a forma de um remo, para natação.

Os lagartos apresentam formas variadas do corpo, com pernas longas ou curtas. Alguns correm muito rápido. Possuem pontos de quebra na cauda, pois se ela ficar presa, quebra-se no ponto de quebra e o animal se solta e foge. A cauda regenera em seguida. Os camaleões possuem uma língua protrátil.

As cobras não possuem pernas, então locomovem se rastejando. Não possuem pálpebras. Como nos lagartos, a pele apresenta fileiras de escamas. Os olhos são cobertos por uma cutícula. As cobras normalmente engolem seu alimento inteiro, graças a inúmeras modificações no seu corpo. As cobras vivem isoladas. Podemos classificá-las segundo o tipo de dente de veneno:

Áglifas: Não possuem dentes de veneno, todos os dentes são iguais, de mesmo tamanho. Exemplos: sucuri e a caninana;

Opistóglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior da boca. Possuem um sulco por onde o veneno corre. Dificilmente conseguem inocular o veneno com eficiência. Exemplo: Falsa coral

Proteróglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior anterior da boca e possuem um sulco por onde o veneno corre. Exemplo: coral verdadeira

Solenóglifas: Os dentes de veneno estão localizados na parte posterior anterior da boca e o veneno corre por um canal do dente.



Aves

As aves compreendem um grupo muito grande e bonito de animais. Chamam a atenção pela beleza e pelo canto. São os únicos animais que possuem penas. A conquista do vôo permitiu a estes animais habitarem locais de difícil acesso e até impossível para outras espécies. Apresentam outra grande adaptação à vida terrestre, a homeotermia, que é a manutenção da temperatura corporal, regulada pelo próprio metabolismo. O estudo das aves é chamado Ornitologia.

As aves evoluíram a partir dos répteis e muitas modificações ocorreram para que elas conquistassem todo esse modo de vida. Os ovos passaram a se desenvolver fora do corpo da fêmea, aparecimento de penas, os membros anteriores deram origem à asas, a excreção nitrogenada é o ácido úrico, num composto pastoso para economizar água, perda da bexiga, endotermia, separação da circulação venosa e arterial, sacos aéreos que ajudam na diminuição da densidade e dissipam calor, corpo aerodinâmico e elaboração da voz e da audição.

Tegumento

A pele é delgada, flexível e frouxamente presa à musculatura subjacente. Não possuem glândulas, com exceção da glândula uropigiana, que fica próxima à base da cauda, onde a ave passa o bico, recolhendo a secreção e passa nas penas para impermeabilizar e também evitar que o bico fique quebradiço.

As penas são leves e flexíveis. Crescem a partir dos folículos que estão na pele, formam uma isolação térmica e protegem a pele, além de terem uma enorme importância no vôo. Existem vários tipos de pena como: penas de contorno, plumas, filoplumas, cerdas e plumas pulverulentas. Durante o crescimento da ave, os pigmentos são depositados nas penas, resultando na coloração destas. O conjunto de todas as penas é chamado plumagem. O processo de troca das penas é chamado de muda.

Esqueleto

Os ossos das aves precisam ser leves e delicados para o vôo e muitos possuem cavidades para a diminuição do peso, são chamados ossos pneumáticos. No esterno possuem a quilha ou carena, local onde os músculos peitorais se inserem, estes são responsáveis pelos batimentos da asa.

Musculatura

Para maior agilidade destes animais, assim como nos mamíferos, os músculos dos membros são aumentados. Os músculos peitorais das aves são responsáveis pelo movimento da asa durante o vôo e se inserem na quilha.

Como as pernas e patas não possuem penas, elas possuem poucos músculos para evitar a perda de calor e garantir uma forma mais aerodinâmica.

Digestão

A língua das aves é pequena, pontiaguda e possui um revestimento córneo. O formato do bico é adaptado à dieta de cada espécie e não possui dentes.

O sistema digestório é formado por boca, uma faringe curta, esôfago tubular que se dilata no papo, local onde oalimento fica armazenado e é umedecido. O estômago é dividido em proventrículo, que secreta enzimas, e ventrículo ou moela, onde o alimento é triturado pelos movimentos dos músculos. O intestino delgado termina no reto, há dois cecos, a cloaca e o ânus. A cloaca é a saída dos aparelhos reprodutor e excretor.

Circulação

A circulação é fechada e o coração tem 2 átrios e 2 ventrículos completamente separados, persistindo o arco aórtico sistêmico direito. Não há mistura entre sangue venoso e sangue arterial e isso é muito importante na regulação da temperatura. As hemácias são ovais e nucleadas.

Respiração

Os pulmões das aves são compactos e muito eficientes. Estão ligados à estruturas muito importantes chamadas sacos aéreos, que trabalham para a diminuição da densidade da ave durante o vôo. Na base da traquéia há uma estrutura chamada siringe, com músculos vocais, responsáveis pelo canto.

Excreção

As aves possuem rins metanéfricos e a principal excreta nitrogenada é o ácido úrico. A urina é pastosa, para a economia de água.

Sistema Nervoso

O cérebro de uma ave é proporcionalmente maior que o cérebro de um réptil e possuem 12 pares de nervos cranianos.

Reprodução

As aves são dióicas, com fecundação interna, ovíparas e com desenvolvimento direto. A fecundação ocorre geralmente na região superior do oviduto, as glândulas da parte posterior secretam as membranas da casca quando o ovo está pronto para a postura.

Leia também:

  • Aves Marinhas
  • Extinção das Aves
  • Ornitologia
  • Reprodução das Aves

Mamíferos

Os mamíferos constituem o grupo mais “evoluído” do Reino Animal. Receberam este nome devido à presença de glândulas mamárias, que nas fêmeas fornecem leite para os filhotes, mais nítida na espécie humana. Habitam os mais diferentes ambientes e têm uma dieta muito diversificada.

A pele coberta por pêlos, presença de glândulas sebáceas e sudoríparas  ajudam a regular a temperatura tornando possível o desenvolvimento de mecanismos fisiológicos mais complexos e eficientes. O aumento do cérebro permitiu que os mamíferos se tornassem mais ágeis e inteligentes.

Tegumento

A pele é mole, fina, pluriestratificada e coberta por pêlos. Nela estão presentes glândulas sebáceas que secretam gordura que protege e impermeabiliza a pele e os pêlos. As glândulas sudoríparas secretam água e sais para a regulação da temperatura corporal.

A pele é o maior órgão do corpo humano. Pode ser divida nas seguintes partes:

- Epiderme: camada mais externa da pele, formada pelo ectoderma, e é extremamente importante para proteção. Alguns vertebrados possuem glândulas e pêlos associados.
- Derme: camada mais profunda da pele, formada pelo mesoderma e pela crista neural. É uma camada estrutural, composta de fibras colágenas, células produtos de pigmentos e vasos sanguíneos.
- Hipoderme: Tecido subcutâneo fica entre a pele e os músculos. É o local onde a gordura das aves e mamíferos fica depositada. Também contém fibras colágenas e elásticas.

Musculatura

Os mamíferos possuem uma divisão muscular, o diafragma, que separa a cavidade torácica da cavidade abdominal. E essa é uma característica que distingue os mamíferos dos outros animais.

Digestão

O sistema digestório dos mamíferos  é completo, começando pela boca, cheia de dentes e terminando no ânus. Possuem as mais variadas dietas e estratégias de captura de alimento.

Circulação

O coração é completamente dividido em 4 câmaras: 2 átrios e 2 ventrículos. A circulação é dupla, fechada e completa. As hemácias são anucleadas e esféricas. O pigmento respiratório é a hemoglobina.

Sistema nervoso

O cérebro dos mamíferos é proporcionalmente maior que dos outros animais, possibilitando uma inteligência e uma agilidade maior. Possuem 12 pares de nervos cranianos.

Respiração

É apenas pulmonar. Exceto nas girafas, a laringe possui cordas vocais.

Reprodução

Os mamíferos são dióicos, com fecundação interna e desenvolvimento direto. A grande maioria das espécies é vivípara, existindo espécies ovíparas (ornitorrinco) e ovovivíparas (canguru).

Ovíparos: os ovos se desenvolvem fora do corpo da fêmea
Ovovivíparos: parte do desenvolvimento é dentro do corpo da mãe, o restante é no ambiente;
Vivíparos: todo o desenvolvimento do embrião é dentro do corpo da fêmea.

Texto postado em 25/08/2012 às 11:31pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  Animais #

Moluscos - Perguntas

1. Qual das opções abaixo indica uma característica encontrada na maioria dos moluscos?

a) presença de células urticantes (venenosas) na epiderme

b) corpo com poros

c) corpo mole dentro de uma concha

d) corpo achatado, em forma de fita

2. Cite os filos de invertrebrados (entre aqueles estudados até aqui) que apresentam as características relacionadas nas outras outras alternativas da questão anterior.

3. Quais as três divisões do corpo de um caracol?

4. Qual a função da rádula?

5. Em relação à concha dos moluscos, responda:

a) Qual a função dessa estrutura?

b) Qual a principal diferença entre a concha de um gastrópode e a de um bivalve? Cite um exemplo de cada classe.

6. Como os bivalves se protegem contra predadores?

7. Como os cefalópodes se locomovem?

8. Cite três moluscos comestíveis.

9. Em relação aos caramujos, as ostras e os plvos, diga quais dos animais citados possuem as características abaixo (um animal pode ter mais de uma característica).

a) Moluscos que têm capacidade de soltar tinta preta para fugir dos predadores.

b) Concha dividida em duas partes (valvas).

c) Molusco que produz as pérolas.

d) Moluscos do grupo dos gastrópodes.

e) Moluscos sem conchas.

f) Moluscos do grupo dos cefalópodes.

Texto postado em 25/08/2012 às 10:56pm | 1 note | (reblogue this!)
Tags:  Sobrosa #

Exercícios Extras sobre Fungos - Perguntas e Respostas

1. Substitua as letras entre parênteses pelo termo que completa cada uma corretamente.

a) O crpo dos fungos é formado por fios muito finos, chamados (a). O conjunto desses fios forma o (b).

b) Os fungos se espalham produzindo células chamadas (c).

c) As doenças causadas por fungos nos seres humanos são chamadas (d).

d) Alguns fungos são usados para a produção de álcool. Neste processo os fungos obtêm energia do alimento pelo processo de (e).

R.: a - Hifas

     b - Micélio

     c - Esporos

     d - Fermentação

2. Explique como os fungos se alimentam.

R.: As hifas dos fungos penetram na matéria orgânica do ambiente ou no corpo de organismos mortos e absorvem a matéria orgânica.

3. Certos fungos crescem especificamente sobre fezes de animais, das quais retiram alimento. Qual é a importância desses fungos para o equilíbrio da natureza?

R.: Esses fungos promovem a reciclagem da matéria orgânica na natureza.

4. Por que a produção de esporos é uma adaptação importante para organismos como os fungos?

R.: A produção de esporos permite que organismos que não se deslocam, como os fungos, se espalhem por novos ambientes. Já que os esporos podem ser levados pelo vento.

5. Qual a importância econômica do levedo de cerveja?

R.: O levedo de cerveja é usado na produção de álcool e bebidas alcoólicas e também na fabricação de pães.

6. Cite um tipo de medicamento produzido por fungos e diga para que ele serve.

R.: A penicilina, que é um antibiótico. Serve para matar bactérias, protegendo nosso corpo contra infecções.

7. Dê exemplo de um fungo que prejudique alguma atividade humana.

R.: O Claviceps purpurea, que é um fungo que ataca cereais.

8. Que organismos estão presentes em um líquen? Quais são os benefícios dessa associação para um dos seres vivos envolvidos?

R.: Os líquens são associações entre fungos e algas ou entre fungos e cianobactérias. O fungo protege a alga ou a cianobactéria contra o sol, ao mesmo tempo em que retira sais minerais das rochas e água do mar. Com esses nutrientes e gás carbônico, a alga produz substâncias orgânicas necessárias ao próprio crescimento e ao do fungo.

9. Você sabe dizer por que se enxugar bem depois do banho previne micoses?

R.: Porque os fungos desenvolvem-se melhor em ambientes úmidos.

10. Coloque apenas as afirmativas corretas.

a) Os fungos são importantes para a decomposição da matéria.

b) Todos os fungos são heterotróficos.

c) Todos os fungos são parasitas.

d) Alguns fungos são comestíveis; outros são venenosos.

e) Alguns antibióticos foram extraídos de fungos.

f) O gás carbônico produzido por um fungo faz a massa do pão crescer.

g) Alguns fungos causam doenças no ser humano.

R.: A, B, D, E, F, G.

Texto postado em 25/08/2012 às 10:38pm | 2 notes | (reblogue this!)
Tags:  Sobrosa #

Platelmintos - Respostas

1. A planária se coloca sobre o alimento, espicham a faringe para fora do corpo e sugam o alimento. Portanto, os alimentos entram pela boca, que fica na região mediana do corpo, em posição ventral (ou seja, na parte do corpo que o animal apoia na superfície). E, do mesmo modo da entrada dos alimentos, os resíduos são eliminados pela boca.

2. Acontece que as tênias se alimentam por difusão, não possuindo tubos digestórios. Elas obtêm seus alimentos absorvendo os nutrientes pré-digeridos pelo hospedeiro.

3. a) Em primeiro lugar, um porco (ou boi) ingere alimento com os ovos. Depois, as larvas da tênia chegam ao intestino do animal. Através do sangue, elas atingem os músculos do hospedeiro e formam cistos. É aí que vem a parte da contaminação de pessoas, ocorrendo assim: uma pessoa ingere a carne contaminada com cistos e proglotes maduras (cheias de ovos) saem com as fezes, continuando o ciclo de contaminação da tênia.

b) Para interromper o ciclo do parasita são muito importantes as medidas preventivas, como:

  • instalação de fossas ou rede de esgotos adequadamente tratados;
  • fiscalização de carne nos matadouros;
  • ingestão de carne bem passada;
  • hábitos de higiene pessoal (lavar sempre as mãos antes de manipular alimentos, depois das evacuações e antes das refeições);

4. a - ovos

    b - tênia

5. Porque é no caramujo que a larva do esquistossomo penetra e se reproduz, originando novas larvas, as cercárias. A cercária sai do caramujo e penetra na pele de pessoas que estão plantando, lavando roupa, nadando ou se banhando em rios, riachos, valas de irrigação e lagoas.

6. O esquistossomo adulto vive nas veias do fígado e do intestino dos contaminados.

7. Os ovos do esquistossomo chegam ao ambiente logo depois de passarem para o intestino dos contaminados e serem elimanados pelas fezes.

8. A larva do esquistossomo penetra no nosso organismo quando está em estado de cercária, onde anteriormente se reproduziu nos caramujos.

9. As medidas preventivas que devem ser adotadas são:

  • implantar sistemas de canalização e tratamento de esgotos para impedir que os ovos atinjam a água;
  • fornecer água de boa qualidade à população e informá-la sobre a doença e seu modo de transmissão, para que se evite o contato com água contaminada;
  • combater o caramujo (o miracídio só sobrevive se encontrar o caramujo no máximo até 12 horas depois de formado). Para isso podem ser usados produtos químicos ou o controle biológico, utilizando-se, por exemplo, peixes que se alimentam do caramujo, como a tilápia, o tambaqui e o piau.

10.

a) (F)

b) (V)

c) (F)

d) (F)

e) (V)

f) (V)

g) (F)

h) (V)

Texto postado em 25/08/2012 às 10:17pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  Sobrosa #

Arthropoda - Crustáceos

                       Siri

              Camarão

     

         Tatuzinho-de-Jardim

                  Lagosta

Texto postado em 24/08/2012 às 1:05pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  abreu #

Platelmintos - Perguntas

1. Como os alimentos entram no corpo da planária? E como saem os resíduos?

2. Como se explica o fato de as tênias não terem tubo digestório? Como elas obtêm os alimentos?

3. Em relação à teníase, responda:

a) Como uma pessoa adquire essa verminose?

b) Como podemos nos prevenir contra essa doença?

4. Complete nas correspondentes letras o texto abaixo:

"A cisticercose é causada pela ingestão de (a) dos vermes conhecidos como (b)."

5. Por que a esquistossomose é conhecida também como “doença do caramujo”?

6. Onde vivem os esquistossomos adultos?

7. Como os ovos do esquistossomo chegam ao ambiente?

8. Em que condições a larva do esquistossomo penetra em nosso organismo?

9. Que medida devem ser adotadas para combater a esquistossomose?

10. Coloque “V” para as afirmativas verdadeira e “F” para as falsas.

a) ( ) As planárias são parasitas.

b) ( ) A instalação de rede de esgotos ajuda a evitar a esquistossomose.

c) ( ) A esquistossomose pode ser transmitida se uma pessoa levar a mão à boca e nela houver ovos do esquistossomo.

d) ( ) A carne de porco contaminda e malcozida pode transmitir esquistossomose.

e) ( ) A tênia é um parasita que vive no intestino humano.

f)  ( ) O exame de fezes pode indicar a presença de tênias e esquistossomos nos seres humanos.

g) ( ) A transfusão de sangue favorece a transmissão da teníase.

h) ( ) Para ajudar a prevenir a cisticercose é importante tomar água tratada e não comer verduras e frutas mal lavadas.

Texto postado em 23/08/2012 às 6:56pm | 0 notes | (reblogue this!)
Tags:  Sobrosa #
Page 2 of 20 « 1 2 3 4 5 6 »


contador de visitas